Pular navegação e ir direto para o conteúdo

Pular navegação e ir direto para as categorias

Pular navegação e ir direto para a lista de colunistas

Pular navegação e ir direto a assinatura do Feed RSS

Artigos do autor Camilo Oliveira


Não é novidade que nos últimos meses isso aqui anda tão movimentado quanto a sala de troféus da Ponte Preta, né? Isso não vai mudar, mas de qualquer forma tenho boas notícias.

Em primeiro lugar, queria dizer o quanto foi legal ter esse espaço, com conteúdo que construímos a partir das nossas experiências ao longo do tempo e leitores de verdade.

Então vamos na ordem do título.

Publiquei mais um texto sobre forma e função (depois de “Ok, conteúdo importa. Mas e a forma?” e “Montadoras: design não é só a forma”) e fiz uma comparação deles em relação à música. Sei que muitos designers também são instrumentistas e muitas atividades das duas áreas são comparáveis.

Forma e função são inseparáveis como voz e instrumental
http://talknowdesign.com/forma-e-funcao-sao-inseparaveis-como-voz-e-in strumental/

 

Esse texto não foi publicado aqui porque esse blog não deve mais ser atualizado. Os outros membros estão se dedicando a outras atividades e eu mesmo também não tenho mais focado em continuar este trabalho.

MAS, não significa que tudo vai pelos ares. O blog vai continuar no ar (inclusive estou renovando a hospedagem e o registro do domínio), mas agora faço parte de outra turma que tem um propósito muito parecido com o Design Coletivo e já vem andando com certa consistência há vários meses.

O Talknow Design surgiu através de conversas no grupo do Behance no Facebook e depois que vimos que havia o interesse sobre conteúdo de design em áudio e vídeo, um grupo de designers decidiu tocar o projeto com força. Já publicamos 15 podcasts e mais de 40 posts até hoje sobre o exercício da nossa profissão e a relação dela com as outras áreas. A coisa lá está andando seriamente e se você gostava daqui, vai gostar mais ainda de lá.

Você também já deve ter notado que o twitter @designcoletivo já vinha avisando de posts e gravações ao vivo do Talknow há algum tempo. O username mudará em breve, mas o material publicado lá continuará no mesmo tom e se você ainda não segue, deveria começar a fazer isso.

Eu sempre quis gravar um podcast com o pessoal do Design Coletivo, mas nunca conseguimos levar o negócio pra frente. Quando o papo do Talknow começou, entendi que enfim essa oportunidade tinha chegado.

Então confira o blog, assine o RSS ou curta nossa página no Facebook pra ficar sabendo das atualizações.

 

Além dos novos posts e do podcast, eu também estou preparando uma newsletter legal sobre assuntos relativos a design de interface, produtos digitais e empreendedorismo (mais ou menos o que eu costumava postar aqui e no meu twitter). Se você quiser curtir desde a primeira edição, é só se cadastrar no link abaixo. Serão um ou dois emails por mês com conteúdo bem produzido e selecionado. Não vai passar disso, prometo.

Assine para receber material bem produzido sobre design de interface

Clique e assine.

 

Ficam aqui os agradecimentos a vocês leitores e aos amigos (de verdade) que fizeram parte desse projeto nesses anos todos: Binho, Rafael, Dener, Marco, Tchagonez, Cassiolito, Moratório e Robson, valeu mesmo. Continuamos todos nos vendo, falando sério sobre design e falando um monte de besteiras a maior parte do tempo e acho que a amizade vai durar indefinidamente.

É nóis.

Conheça agora o Talknow Design 

 

Recentemente li alguns artigos que estavam na lista pra ‘ler depois’ e dois deles falavam sobre a relação entre games e design. Confesso que não sou um gamer frequente e raramente faço pausas para jogos que não sejam de futebol de verdade, mas os argumentos apresentados são ótimos e me convenceram.

Como uma tentativa de criação de novos hábitos, decidi gastar algum tempo dos meus intervalos no dia para jogos. E como já vi muita gente animada jogando e dizendo o quanto Poker é legal, resolvi que ia ser um dos primeiros testes. E de praticar um pouco online pode ser que daqui a um tempo já dê pra jogar de verdade e colocar em disputa o meu suado dinheiro numa roda com amigos.

primeiros esforços no Party Poker

O primeiro texto, Sua Nova Desculpa para Comprar um Xbox (em inglês), de 2008, mas que eu não tinha terminado de ler, fala bastante sobre o lado emocional que os games exploram para manter seus usuários concentrados o suficiente para superarem suas fases. Recompensas e desafios em cada parte do jogo, controle da experiência (cores, áudio, etc) e as narrativas são alguns dos temas abordados.

Ler o texto completo »

Há quase um ano, voltando para casa de carona com meu pai, ele comentou que tinha ido numa consulta e, do nada, a médica pediu para ver sua carteira de habillitação. À princípio ele negou, mas ela insistiu e ele acabou cedendo.

Ela então olhou o documento e perguntou o que havia de errado. Meu pai, sem entender nada, disse que não havia nada de errado. Ela então pediu para ele conferir qual era a data de vencimento. Puxa vida, ali estava o erro, carteira vencida há cerca de 6 meses! Afinal, quem sabe quando a habilitação vai vencer?

Quando ele terminou de contar isso, eu comecei a pensar em como resolver este problema, como a internet poderia ajudar nisso. Então pensei num sistema em que você inserisse alguns poucos dados e ele te avisasse quando a data estivesse chegando. Email me pareceu a opção mais viável, já que SMS ficaria muito caro. Depois de alguns meses desenvolvendo, coloquei no ar o renovesuacnh.com.br, um serviço para não te deixar esquecer desta data.

www.renovesuacnh.com.br

Ler o texto completo »

Esses dias me deparei com notícias de que dois grandes serviços online vão lançar versões completamente novas de seus produtos.

O primeiro é o Basecamp, software de gerenciamento de projetos da 37signals, de quem eu já cansei de elogiar aqui.

Na coluna que anuncia o novo projeto, Jason Fried (co-fundador), argumenta os motivos que levaram a empresa a fazer tudo de novo. Resumidamente eles entendem que o ciclo de um produto que foi lançado há 8 anos já está no fim e é hora de fazer melhor. Abaixo um pedaço.

For one, eight years is a long time. Consider the ways in which the world has changed over the past eight years. We’ve learned a lot about collaborating in that time. We’ve received tons of feedback from users, many of whom have shown us the ways in which they work. Plus, there are technologies available that didn’t exist back then.

Leia a coluna inteira: Starting Over (em inglês)

Pessoalmente nunca usei o programa, mas já tive ótimas referências dele, fora a página de apresentação, que tem uma redação muito convincente sobre sua qualidade.

Vimeo

O segundo serviço anunciando um enorme redesign é o ótimo Vimeo.

Ler o texto completo »

Design é inegavelmente uma palavra em evidência, por dezenas de motivos diferentes. Uma coisa que anda me incomodando é como as fabricantes de carro (e suas agências) estão tratando o assunto.

Todo mundo já conhece o jogo: Chega o final do ano e novos modelos de veículos são lançados. Quando as mudanças são sutis, geralmente a ênfase da divulgação vai mais o lado mecânico, melhoras de performance e etc. Quando a cara do carro tem uma mudança significativa, nossa palavra querida aparece de montão.

(no meu último post eu falo um pouco sobre essa evolução dos veículos ao longo do tempo – entre outras coisas)

Como já estamos em 2012, tem carro novo pra todo lado. E andam tratando design pra vender só a forma, consequentemente fazendo a população ter uma concepção errada do que a palavra representa, como acontece com o termo ‘marketing‘.

O maior exemplo do que venho falando é o Kia Soul, que se vende como “carro-design”.

Talvez o fato de eu achar esse carro horroroso contribua pra minha implicância com ele, fico um pouco ofendido de ver um carro feio desse levando a alcunha design. Veja o comercial.

Ler o texto completo »

Postei essa imagem no twitter há uns meses e comentei sobre a permanência do visual da série E nos carros da Mercedes ao longo dos anos. Os replies que recebi comentavam da falta de inovação nos carros por parte da Mercedes e que a BMW tinha sido mais ousada nesse sentido. Não levei a discussão muito pra frente porque meu ponto não era comparar tecnologia, mas sim a aparência dos carros. Acho que o mercado automobilístico é o que mais respeita a característica de uma linha. Excluindo claro, os carros que são muito feios e precisam mudar completamente de cara ao longo do tempo, a maioria segue uma sequência de evolução bem clara. Abaixo, meu carro favorito.

Honda Civic

Ler o texto completo »

Sobre

O Design Coletivo é formado por 8 designers, interessados em criação de conteúdo relevante sobre design e seu reflexo no mercado, além do estímulo do debate nos assuntos referentes à area.

Leia a descrição completa

Destaques