Pular navegação e ir direto para o conteúdo

Pular navegação e ir direto para as categorias

Pular navegação e ir direto para a lista de colunistas

Pular navegação e ir direto a assinatura do Feed RSS

Conteúdo sim, importa. Sua mensagem precisa ser relevante. Para o público (target) que você pretende atingir principalmente, e se possível, claro o suficiente para quem não faz parte dele, mas porventura poderia fazer. Para quem não tem nada para falar, mascarar conteúdo fraco com uma boa aparência é matar a mais importante função do design, que é expressão. Se algo não tem força, o que pode ser expressado? No máximo técnicas já carimbadas ou clichês temporários. Outras vezes o problema tem relação com o espaço. Você precisa de 15 linhas ou 20 centímetros para passar sua mensagem, mas acaba com menos ou mais espaço que o necessário. Quando de acontecer menos, vai a técnica em readequar informações e manter o que é estritamente necessário, quando ocorre o contrário, vem a famosa encheção de lingüiça.

Outro dia discutimos na lista ArqHP (SWF em e-mail e Tableless em e-mails), sobre a necessidade de layouts e artefatos imagéticos em malas diretas/newsletters. Entendo a preocupação de uma parte da lista com a questão da importância das mensagens disparadas e a maquiagem do conteúdo, como falei acima, mas infelizmente diversas delas continuarão a serem enviadas e exigirão de nós apertar o botão apagar. Acho que alguma estilização é necessária, de modo a convencer o seu destinatário a ter alguma reação, seja clicar, comprar, pesquisar ou mesmo se interessar pelo assunto. Caímos também na questão técnica sobre o protocolo HTTP, mas nossa conversa aqui vai ficar mesmo na relevância.

O modo de texto é incrivelmente eficiente e funciona há séculos. Um site sem formatação é claramente possível de ser lido. Mas o que se perde com isso?

Na minha opinião: experiência, o tal do flow, a imersão.

Forma como conteúdo – tipografia aplicada usando imagens

Se design é comunicação, expressão, ele precisa ou interagir com o conteúdo que carrega, reforçando-o ou até mesmo contradizendo-o. No caso da forma ser o próprio conteúdo ter um peso que se sustente nessa comunicação, a apresentação visual precisa ser contundente. Quando a forma manda no conteúdo, ou é o próprio conteúdo, a composição visual abre espaço para uma interpretação diferente de cada um que o observa, tornando-a mais interessante.

É praxe vermos acontecer o contrário descrito aqui (e que é a nossa opinião também), mas só seria diferente se houver posicionamento nosso. E qual é a importância do design que você faz? Ele procura ter significado ou é só coadjuvante dentro do contexto que participa?

Este post tem a intenção de fazer pensar. A gente quebrou a cabeça e debateu vários dias antes de subir, o que fez com que prestássemos atenção em fatores importantes do nosso trabalho e que estavam ficando em 2º plano, e queremos que tenha algum efeito em você, mesmo se for pra discordar e achar que só estamos falando bobeira. E se achar que estamos, por favor, comente e nos avise ;)


RSS Acompanhe os posts do Design Coletivo.

Publicado em: Conceitos, domingo, 23rd novembro, 2008 às 7:43 pm
Tags: , , , , , ,

Você pode acompanhar todas as respostas para esta entrada via RSS 2.0, escrever um comentário, ou deixar um trackback através do seu site.

Permalink

0 Comentários para "Ok, conteúdo importa. Mas e a forma?"


Comente!

Sobre

O Design Coletivo é formado por 8 designers, interessados em criação de conteúdo relevante sobre design e seu reflexo no mercado, além do estímulo do debate nos assuntos referentes à area.

Leia a descrição completa

Destaques